Política

Crianças recebem laudos falsos de retardo mental para aumentar o Ideb em curral eleitoral de Ciro Gomes

A cidade de Sobral, sertão do Ceará obteve o maior índice do Ideb do Brasil. Para conquistar este posto, o município gastou mais de R$ 300 mil em falsos laudos de demência e retardo mental que destruíram a vida de várias famílias na região. Um adolescente por pouco não tirou a vida após ser diagnosticado falsamente com retardo mental

A simpática cidade de Sobral, no sertão Cearense, base eleitoral dos irmãos Ciro e Cid Gomes, que comandam a política no estado há anos, ficou famosa no Brasil pelos belos índices de alfabetização alcançando a primeira posição no IDEB. Em 2017, superou a cidade mineira de Nova Ponte com a média 7,2, equivalente a alunos do Reino Unido. A cidade é governada pelo irmão caçula de Ciro e Cid Gomes, Ivo Ferreira Gomes.

As informações foram amplamente divulgadas no Brasil às vésperas da eleição de 2018, colocando Ciro Gomes como um grande governante no quesito educação. Tudo isso seria maravilhoso se não fosse uma fraude contra a criança e o adolescente, destruindo famílias para chegar a um índice falso. Um adolescente chegou a pensar em suicídio após receber o falso diagnóstico de retardo mental.

Após três anos de investigação, a equipe de reportagem do Agora Paraná, descobriu graves crimes na cidade Sobral e Coreaú. A média alta no IDEB só foi possível porque a Secretaria de Educação do Município, gastou mais de R$ 300 mil em laudos falsos de retardo mental e demência em alunos que tiravam notas baixas, dentro na média nacional, mas notas que atrapalhariam um alto desempenho da cidade cearense no Ideb.

Veja o vídeo completo da reportagem:

Com depoimentos de médicos, professores, mães de alunos, a reportagem desmonta a maior fraude na educação infantil da história do Brasil. Os vídeos e documentos foram enviados para o Ministério Público Federal e Polícia Federal que estão investigando o caso.

Segundo as informações apuradas pelo Agora Paraná, os documentos também são usados para solicitar benefícios do INSS. Dois médicos cearenses estão sendo investigados, suspeitos de emitirem centenas de laudos, atestando falsas informações cognitivas de crianças do ensino fundamental de Sobral e Coreaú, no sertão do Ceará.

Segundo o relato das mães, as próprias diretoras organizam todo o esquema. Elas selecionam os alunos de baixo desempenho escolar, levam as crianças para a consulta e pagam até 300 reais por cada laudo.

As mães contam que além de terem os filhos saudáveis, atestados como sendo portadores de retardo mental, as crianças também foram encaminhadas pela direção da escola para tentarem benefícios do INSS usando os documentos, mas foram reprovados na perícia médica.

Desconfiadas das informações descritas nos laudos, as mães procuraram outros profissionais e eles atestaram que as crianças não sofrem de retardo mental, além de identificarem que elas  possuem grande potencial de aprendizado, culpando a escola de não aplicar métodos lúdicos e motivadores para o melhor aprendizado.

Com medo de perder o emprego e sem querer ser identificada, uma professora afirmou que realmente tem crianças com laudos de retardo mental que não tem nada. “Meu Deus, mas tem uns meninos mesmo que a gente vê que não tem nada. Dá vontade é de procurar outro emprego em outro lugar, mas infelizmente dependo do meu emprego”, revelou.

Ouvido por nossa equipe, o médico pediatra Francisco Manuel Guedes confirmou que os documentos são usados para tentarem benefícios no INSS e para influenciar nas avaliações das crianças de baixo desempenho escolar.

O Pediatra confirmou também que a Secretaria Municipal de Educação encaminha grupos de alunos do ensino fundamental de várias escolas, para que sejam emitidos os laudos, atestando retardo mental, autismo e outros diagnósticos. Segundo ele, cada laudo custa 300 reais, contudo, não soube informar quantos foram emitidos em 2018, para a prefeitura de Sobral.

Ainda segundo o médico, a Secretaria Municipal de Educação solicita laudos que confirmem que as crianças não têm condições de enfrentar as avaliações. Guedes disse que o aluno com o laudo pode fazer a prova, mas que o peso na contagem de pontos não pode ser o mesmo aplicado na correção das provas de uma criança sem o laudo. “O aluno pode ir para a prova, porém o peso dele na contagem não pode ser o mesmo de uma criança de desenvolvimento normal”, finalizou Guedes.

 

De 2013 a 2015 só em Coreaú (CE), 300 laudos foram emitidos atestando problemas cognitivos nas crianças do ensino fundamental, todos assinados ou pelo Dr. Bruno Gomes, ou pelo Pediatra Manuel Guedes. O Dr. Bruno, segundo relatos das mães, atende as crianças do 2º e do 5º ano, dentro das escolas sem o acompanhamento dos familiares.

A dona de casa Maria Vieira conta que nunca nem levou o filho para ser atendido pelo Doutor Bruno, e ficou assustada quando soube do laudo diagnosticando o seu filho com retardo mental.

Em Sobral, também há relatos de que o médico Bruno Gomes atende numa sala de aula da escola Maria do Carmo Andrade, sem a presença de familiares. 

Em novembro de 2018, em um só dia, mais de 10 alunos acompanhados pela diretora Fátima Farias, foram atendidos no CAPS AD, pelo Dr. Manuel Guedes. Segundo as investigações, naquela manhã, ele emitiu documentos da Santa Casa de Sobral com datas retroativas de 14 agosto e 14 de setembro, para atender a demanda da Secretaria Municipal de Educação. As mães confirmam que os documentos seriam usados para excluir os filhos da contabilidade da avaliação externa, manipulando o desempenho do município no ranking nacional.

Procuramos falar com o médico Bruno Gomes da Silva Vasconcelos, mas além de não responder nossas perguntas, ainda bloqueou o nosso contato no WhatsApp. O mesmo fez a diretora Fátima Farias, citada por várias mães como uma das diretoras que organizam todo o esquema criminoso. A Secretaria de Educação não respondeu o nosso e-mail.