RMC

Oficinas para a segunda etapa do Programa “Em Frente Brasil” são realizadas em São José dos Pinhais

(Foto: Paulo Szostak / PMSJP)

Os processos de diagnósticos de políticas públicas adequadas para a segunda etapa do Programa “Em Frente Brasil” já estão sendo realizadas no município de São José dos Pinhais. As oficinas do Programa tiveram início na manhã desta quarta-feira (15), e terão a duração total de três dias.

As oficinas tem como objetivo propor e diagnosticar políticas para a segunda etapa do Programa, voltadas para ações sociais e educacionais. No primeiro dia de oficina foram apresentados os participantes, além dos insumos para a construção dos planos futuros. Durante o primeiro dia de oficina do Programa no município, também foram discutidos os mapeamentos das políticas, árvores de causas e fichas de propostas.

Para os próximos dias, serão debatidos as construções de quadros com planos de ação de áreas temáticas, validações de planos, avaliações das oficinas, e por fim, o encerramento das atividades no município. Para o prefeito de São José dos Pinhais, Toninho Fenelon, a segunda fase do Programa é uma das mais importantes, pois efetuam políticas voltadas ao social e educacional. “A gente sabe que não há meio de melhorar a segurança pública de meio a longo prazo se não tivermos investimentos sociais. É importante esses três dias de trabalho junto com os Ministérios, Estado e Município”, explicou o prefeito.

Os resultados da primeira etapa do Programa Em Frente Brasil gerou bons resultados em São José dos Pinhais. De acordo com a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Administração Penitenciária, São José dos Pinhais registrou uma queda de 33% de homicídios em 2019, após a aplicação do Programa. Além do âmbito estadual, o Programa também contribuiu com os dados de 175 municípios do Estado do Paraná que não tiveram nenhum registro de homicídios em 2019.

De acordo com o diretor de Políticas de Segurança Pública do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Marcelo Moreno, a segunda fase do Programa permitem que esses números tenham quedas cada vez mais significativas. “A segunda etapa do Programa é desafiadora, pois conta com políticas de médio e longo prazo, mas que os números se estabeleçam a partir do momento em que se gerem oportunidades de emprego, renda”, comentou.

O diretor geral da Secretaria de Estado do Planejamento e Projetos Estruturantes, João Evaristo Debiasi, explica que as discussões apontadas nas oficinas já foram feitas no âmbito federal e estadual. “O que está sendo feito aqui hoje já foi feito outras etapas, de como colocar em prática algumas iniciativas inovadoras para diminuir a criminalidade e trazer uma sensação de segurança para a população em geral, em especial a mais carente, que está mais exposta aos problemas de segurança pública.”

Durante as oficinas, estiveram presentes representantes federais, autoridades estaduais, municipais, além de autoridades civis, militares e religiosas.