Prefeitura ajuda pessoas em vulnerabilidade social a concluir os estudos

Além de acolher pessoas em situação de vulnerabilidade social, os hotéis do programa Nova Morada, Vida Nova auxiliam na reinserção dos moradores na sociedade.

Uma das formas utilizadas para auxiliar no processo é o direcionamento para atividades educativas, como cursos de leitura, escrita e interpretação de texto, junto da oferta de exames de equivalência aos participantes do programa que não tenham concluído o ensino fundamental.

Após realizar o exame, as provas são validadas pela Gerência da Educação de Jovens e Adultos da Secretaria Municipal de Educação (SME). Caso sejam aprovados, é emitido um certificado que valida a conclusão do Ensino Fundamental I. No final de setembro, três pessoas receberam o documento em uma cerimônia realizada em uma das sedes do projeto.

Abrindo oportunidades

Atendida pelo Nova Morada, Vida Nova, Lucimara Dercídio, 54 anos, acredita que o certificado contribuirá na busca por um emprego. “Meu histórico escolar original foi dado como arquivo morto e não consegui recuperá-lo. Até perdi uma chance de começar um serviço por conta disso”, comenta ela.

Desempregada há mais de dois anos, Lucimara conta que ficou satisfeita com o curso. “Mesmo tendo problemas de visão, os professores me ajudaram durante as aulas”, acrescenta.

No caso de Renato Junior dos Santos, 41 anos, o retorno aos estudos aconteceu 20 anos depois de ter interrompido a ida às aulas. “Foi muito bacana reaprender matérias que eu não tinha visto faz muito tempo”, explica ele. Santos tem planos de continuar a aprender.

“Tenho uma proposta de emprego, mas o que eu quero mesmo é continuar a estudar. Mesmo tendo 41 anos, ainda pretendo me formar”.

O programa Nova Morada, Vida Nova é desenvolvido em dois hotéis sociais com 150 vagas localizados no centro de Curitiba, nas Ruas Conselheiro Araújo e Visconde do Rio Branco. A coordenação é do Departamento de Política Sobre Drogas da Prefeitura.

A população atendida, que soma 2.338 pessoas neste ano, é encaminhada a partir de serviços de saúde e de ação social ofertados pelo município e pode permanecer no local no período das 18h às 9h. Além das atividades de reinserção ofertadas, eles contam com refeições e atividades recreativas.

Desde o início do ano, 344 pessoas conseguiram a autonomia, com trabalho e moradia, após passar pelo programa.