Programa inspirado em Curitiba vai polinizar as cidades do Estado

Inspirado nos Jardins de Mel da Prefeitura de Curitiba, o Governo do Estado deu início oficialmente nesta quinta-feira (20/1) ao programa Poliniza Paraná. As primeiras caixas de abelhas nativas sem ferrão foram instaladas no Bosque da Companhia Paranaense de Energia Elétrica (Copel), no Bigorrilho. O governador Ratinho Júnior e o prefeito Rafael Greca participaram da inauguração.

“Com essa parceria o ano começa com doçura. O apoio do Governo do Estado para levar o projeto Jardins De Mel para todas as cidades do Paraná vai multiplicar a potencialidade das abelhas nativas, que são 40 espécies, de melhorarem o meio ambiente de Curitiba e do Paraná”, disse o prefeito.

De acordo com informações da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e Turismo (Sedest), todos os parques urbanos em execução terão caixas do Poliniza Paraná. Campo Mourão, Maringá, São João e Juranda devem ser as primeiras cidades a receber o programa.

Cada município contemplado deverá pensar em um espaço e trabalhar a Educação Ambiental com ênfase nesses polinizadores, responsáveis por mais de 90% das plantas nativas e fundamentais para a produção de alimentos.

“Esse é um projeto já implantado em Curitiba e que está na Fazendas Urbana e em pelo menos 150 hortas comunitárias, além dos 44 parques da cidade. A ideia, que o governador Ratinho Junior encampou é multiplicar isso em todo o cenário da exuberante natureza do Paraná”, afirmou o prefeito Rafael Greca.

O governador lembrou que a ideia de lançar uma iniciativa de proteção às abelhas surgiu por meio de uma carta recebida de uma turma de 3º ano da Escola Municipal Castro Alves, do município de São João. Na carta a turma relatou o projeto “Um doce que vem do campo” que estavam desenvolvendo e fez um apelo para que a Sedest cuidasse das abelhas.

“Nós recebemos o pedido das crianças e de imediato já começamos a conversar com a Prefeitura de Curitiba. É um prazer para nós poder desenvolver mais um programa em parceria com a Prefeitura da nossa capital que é um celeiro de ideias para o mundo todo. Com iniciativas como esta nós conseguimos manter nosso crescimento econômico e também manter a sustentabilidade de nosso estado”, afirmou o governador Ratinho Junior.

Parceria

A Sedest foi conhecer o “Jardins de Mel”, que despertou o interesse em ampliar as ações no Estado. “Nossas equipes vêm dando suporte e continuam atuando com o Governo do Estado em capacitações para os municípios, para o sucesso do Poliniza Paraná, como aconteceu com o nosso projeto local”, contou a secretária municipal do Meio Ambiente de Curitiba, Marilza do Carmo Oliveira Dias.

O objetivo é ensinar a fazer a manutenção das caixas e como trabalhar a Educação Ambiental por meio das abelhas. Além da Secretaria do Meio Ambiente, as secretarias da Segurança Alimentar e Nutricional e da Educação são parte importante do Jardins de Mel e das atividades e capacitações do Poliniza Paraná.

Presenças

Também estiveram presentes no lançamento o vice-prefeito de Curitiba Eduardo Pimentel, o Secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo do Estado do Paraná, Márcio Nunes, o Secretário de Segurança Alimentar e Nutricional, Luiz Dâmaso Gusi, a Secretária Municipal do Meio Ambiente, Marilza do Carmo Oliveira Dias, o presidente da Copel, Daniel Pimentel, o secretário chefe da Casa Civil, João Carlos Ortega, o Secretário Estadual de Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, o diretor do Departamento de Estratégias de Segurança Alimentar e Nutricional, Felipe Thiago de Jesus, o Assessor Especial de Articulação Política da Prefeitura de Curitiba, Lucas Navarro de Souza, e representando os Meliponicultores e Criadores de Abelhas Nativas do Estado do Paraná o senhor Benedito Antônio Uczai.

Jardins de Mel

Com origem nos meliponários do Museu de História Natural Capão da Imbuia, o Jardins de Mel foi implantado em 2017 pelo prefeito Rafael Greca e vem se expandido pelas áreas verdes de Curitiba. Já são mais de 56 locais na cidade com caixas que abrigam colônias de abelhas sociais nativas sem ferrão, que podem ser visitados pelo público, como o próprio Museu de História Natural Capão da Imbuia, o Zoológico de Curitiba, o Passeio Público, o Parque Barigui, o Bosque Reinhard Maack, o Jardim Botânico, além de hortas comunitárias e escolas da rede municipal de ensino.

As cinco espécies utilizadas são guaraipo (Melipona bicolor), manduri (Melipona marginata), mandaçaia (Melipona quadrifasciata), jataí (Tetragonisca angustula) e mirim (Plebeia sp.).

As atividades desenvolvidas ressaltam a sensibilização sobre a importância e os benefícios dos serviços ecossistêmicos de regulação e equilíbrio do planeta prestados pelas abelhas nativas.