Política

Braço direito de Alvim dedicou ao nazismo um capítulo de seu livro “Esquerda, Sistemas Regimes e Valores morais”

Alessandro Loiola compara o socialismo ao cristianismo e diz que os caminhos da direita e da esquerda desejam a mesma coisa: o controle.

Alessandro Loiola, assessor do ex-secretário especial da Cultura, Roberto alvim, dedicou um capítulo inteiro em seu livro “Esquerda, Sistemas, Regimes e Valores Morais” ao nazismo. Ele conta com detalhes, a chegada de Hittler ao poder, passando pela relação com a família, com os partidos e com a propaganda nazista.

Em sua obra, disponível para compra no site Amazon, Loiola faz uma crítica ao socialismo em algumas partes, mas em outras apresentada dubiedades perigosas. Declara-se conservador, mas revela valores diferentes deste viés.

Ateísmo progressista

Em um livro com estilo colegial, ao estilo copia e cola de sites como o Wikipédia, Loiola revela um caráter ateísta progressita, que ora critica o socialismo, ora flerta com ele, deixando uma linha muito tênue entre os regimes nazistas, fascistas e comunistas com o conservadorismo. Neste trecho do livro, o braço direito de Alvim, que ainda permanece na Secretária Especial de Cultura, diz que: “No final, por caminhos diferentes, ambos, Direita e Esquerda, desejam a mesma coisa: controle. Tenho que discordar solenemente deste pensamento de Loiola, a esquerda é um câncer para a sociedade e deseja dominar as minorias para depois se desfazer delas, dar migalhas ao povo como na Venezuela e ficar com as riquezas do país e desfrutar de manjares dos palácios. Portanto, dizer que tanto a esquerda e a direita têm o mesmo objetivo é um erro e tem meu total repúdio.

Em outro trecho do seu livro, Loiola, diz: “uma vez que a única via de acesso para que fascistas e nazistas alcançassem o poder era por meio de elites conservadoras, elementos chaves destes regimes...”. Também, discordo deste trecho. Tratar como único caminho para chegar a estes regimes, o conservadorismo é ignorar a história.

Alessandro Loiola, compara ainda o socialismo ao cristianismo. “Como é típico no cristianismo e se tornou mais tarde típico também no socialismo, via o rico como um asno, tão desonesto quanto é louco. Para ele, o Estado deveria legislar até mesmo as causas mais íntimas: a jovem deve se casar antes dos 22 anos e o jovem antes dos 26 anos de idade”, diz o trecho. Loiola acredita, de acordo com sua obra, que as questões de adultério são tratadas da mesma forma no cristianismo e no socialismo, tendo em vista que o homem traído poderia de casar de novo e a mulher repudiada. No entanto, Loiola ignora, que no cristianismo existe o perdão, a reconciliação e o poder da cruz de cristo, vilipendiado pelos mesmos socialistas a quem ele faz a infeliz comparação.

 

loiola ignora que o cristianismo é exatamente o oposto do comunismo. Enquanto o comunismo relativiza tudo e a tudo destrói, o cristianismo prega que há o certo e há o errado, sem relativismos esquerdistas. É exatamente por isso que todo regime comunista persegue o cristianismo. São dois mundos incompatíveis.

Veja o livro: