Prefeitura de Pinhais ressalta importância dos cuidados com a saúde mental no trabalho

A Prefeitura de Pinhais, por meio da Gerência de Vigilância Sanitária e Saúde do Trabalhador, da Secretaria Municipal de Saúde, ressalta a importância dos cuidados com a saúde mental no trabalho. Em um ambiente profissional saudável, trabalhadores e gestores contribuem ativamente não apenas na produtividade da instituição, mas também para a promoção e proteção da saúde, segurança e do bem-estar de todos os funcionários.

Ana Carolina Damas Padilha Zonato, da Seção de Saúde do Trabalhador, salienta que existem muitos fatores de risco para a saúde mental que podem estar presentes no ambiente de trabalho. “A maioria dos riscos está relacionada às interações entre o tipo de trabalho, o ambiente organizacional e gerencial, as habilidades e competências dos funcionários e o suporte disponível para que realizem suas tarefas”, explica.

Os riscos também podem estar relacionados ao conteúdo do trabalho, como tarefas inadequadas para as competências da pessoa ou uma carga de trabalho alta. “Alguns trabalhos podem acarretar maior risco pessoal do que outros. O risco pode ser aumentado em situações em que há falta de coesão da equipe ou apoio social”.

Duas das principais causas de estresse relacionados ao trabalho são o assédio moral e psicológico. “Esses fatores apresentam riscos para a saúde dos trabalhadores e estão associados a problemas psicológicos e físicos. Estas consequências para a saúde podem ter custos para os empregadores em termos de produtividade reduzida e aumento da rotatividade de pessoal. Também podem ter um impacto negativo nas interações familiares e sociais dos funcionários”, alerta Ana.

“Mas como a empresa pode ajudar em relação aos transtornos mentais no ambiente de trabalho? Um guia recente publicado pelo Fórum Econômico Mundial sugere que as intervenções nas organizações devem ter três abordagens: proteger a saúde mental reduzindo os fatores de risco relacionados ao trabalho; promover a saúde mental ao desenvolver aspectos positivos de trabalho e as habilidades dos empregados; enfrentar casos de problemas de saúde mental independentemente da causa”, cita.

De acordo com Ana Carolina, outras medidas podem entender as oportunidades e necessidades dos empregados individualmente, ajudando a desenvolver políticas melhores para a saúde mental no ambiente de trabalho. “O guia também sugere alertar os funcionários sobre ferramentas de apoio e onde podem encontrar ajuda dentro ou fora da organização. Segundo a OMS, as intervenções de saúde mental precisam ser entregues como parte de uma estratégia integrada de saúde e bem-estar que cubra prevenção, identificação precoce, apoio e reabilitação”.

Investigação de distúrbios da saúde mental ligados ao trabalho

“A rede de atenção do SUS é formada por pontos de atenção que ofertam ações e serviços de saúde, como, por exemplo, as Unidades de Saúde da Família, as Unidades Básicas de Saúde, os domicílios, as unidades ambulatoriais especializadas. Alguns pontos de atenção são específicos para atender determinados grupos. Um bom exemplo são os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), destinados a atender pessoas com transtornos mentais”.

Segundo Ana Carolina, o maior desafio na atenção à saúde mental no trabalho consiste, exatamente, no estabelecimento da relação entre o sofrimento e o adoecimento psíquico com os aspectos da organização do trabalho, pois o lugar onde o trabalho é realizado tem um caráter fundamental. “Cabe ao profissional da saúde, que realiza a investigação diagnóstica da relação entre saúde mental e trabalho, dispor de técnicas diferenciadas, que podem incluir entrevistas e outras modalidades de avaliação, bem como realizar a abordagem, se possível, juntamente com outro profissional”, observa.

Serviço

Para mais informações, entre em contato com a Seção de Vigilância em Saúde do Trabalhador, pelo telefone: (41) 3912-5330.