Gestantes do Tatuquara conhecem ecografia ecológica em oficina

Uma atividade diferente foi apresentada na Oficina de Gestantes do Tatuquara realizada na tarde desta segunda-feira (1/8), na Rua da Cidadania.

Trata-se da Ecografia Ecológica, uma técnica que consiste em realizar a palpação obstétrica, identificando a posição e localização do bebê. Depois, é feita uma pintura na barriga da mãe retratando o que apontou o exame, usando tintas laváveis, atóxicas para a pele. Também são pintados o nome do bebê e outras figuras significativas para aquela família em formação.

O trabalho foi coordenado pelas alunas de enfermagem da Unicesumar Mariane Patrícia, Bianca Stopasol Elke e Renata Mayumi Oyawa. A ecografia foi sorteada entre as participantes, já que não havia condições de atender todas as 90 gestantes presentes no evento.

Aleitamento materno

A Oficina de Gestantes foi coordenada pelo distrito sanitário do Tatuquara e faz parte das ações em comemoração ao Agosto Dourado, mês de incentivo à amamentação.

A palestra de abertura foi feita pela nutricionista Aline Sobânia, que tratou sobre a importância do aleitamento materno para a mãe e bebê.

Orientação para as mães

Também foi apresentado o que a estrutura de saúde da cidade oferece às futuras mamães.

O coordenador da Rede Mãe Curitibana Vale a Vida, Everson Ribeiro de Lima, que participou da abertura do evento, falou sobre o lançamento do serviço de orientação e apoio à amamentação pelo telefone da Central Saúde Já Curitiba, o 3350-9000.

“Nós trabalhamos para que o bem mais precioso de vocês chegue saudável ao final de nove meses de gestação”, disse.

Além de orientar as mães no início do processo, a Central Saúde Já Curitiba fará o primeiro atendimento das usuárias que venham a ter complicações decorrentes da amamentação.

Atualizando os conhecimentos

A mãe Elisângela Cardoso, 27 anos, moradora no bairro Tatuquara, disse que foi ao evento para se atualizar.

“Tem um intervalo de cinco anos desde que tive minha filha, então resolvi vir para me atualizar”, disse ela, que é mãe de Lucas (8 anos) e Ana Júlia (5 anos).

Saúde bucal

Outro tema do evento foi a saúde bucal da gestante, que pode se tornar um fator de risco para o bebê caso não esteja em dia.

“A gestante não precisa ter medo porque ela não corre nenhum risco de procurar atendimento odontológico. Pelo contrário, o risco existirá se ela tiver uma infecção dentária ou uma gengivite e não procurar tratamento. Isso pode ocasionar o parto prematuro ou bebê de baixo peso”, alertou a dentista Maria Lúcia Corrêa Salles, da Unidade de Saúde Pompeia.

Ioga para relaxar

Para combater a ansiedade principalmente das mães de primeira viagem, a oficina trouxe uma prática ioga, com exercícios respiratórios, relaxamento e meditação.

“O objetivo é trazer a conscientização do próprio corpo e das mudanças que acontece com ele durante a gestação”, explicou a médica Waleska de Carvalho Lima, que atua na Unidade de Saúde Pompéia.

Ao final do evento, teve lanche com frutas oferecidas pela Ceasa para as participantes e sorteio de brindes, como roupas de bebê e maquiagem.

Presenças

Participaram a supervisora do Distrito Sanitário do Tatuquara, Luciana Kusmann; a enfermeira Karin Godarth, da Rede Mãe Curitibana Vale a Vida; o administrador regional Marcelo Ferraz; e a supervisora do núcleo regional da FAS (Fundação de Ação Social), Cíntia Aumann.