Estado autoriza R$ 1,7 milhão para modernizar e ampliar serviços do Hospital Regional da Lapa

O Governo do Estado autorizou R$ 1,7 milhão para reforma do Hospital Regional da Lapa São Sebastião (HRLSS). A estrutura quase centenária será modernizada e terá ampliação de serviços, reforçando a regionalização do atendimento à saúde, uma das estratégias do governo estadual nesta área. A ordem de serviço para início das obras foi assinada pelo secretário estadual da Saúde, Beto Preto, nesta quinta-feira (16), em encontro realizado na própria unidade hospitalar.

Os recursos custearão os reparos em sete casas que ficam dentro do terreno do hospital, com o objetivo de abrigar as áreas administrativas, técnicas e de apoio, permitindo que os espaços físicos da estrutura sejam liberados para abertura de novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), enfermarias e um pronto-socorro para atendimento de clínica médica e trauma, de média e baixa complexidade.

“Esta reforma possibilitará o aumento na oferta de leitos e a expansão do atendimento na média complexidade, cirurgias eletivas e, futuramente, uma unidade porta aberta de ortopedia”, explicou o secretário Beto Preto.

“Nosso objetivo é transformar o HRLSS em um hospital resolutivo e que atenda os paranaenses da Lapa e dos municípios da região, sem que precisem se deslocar para a capital ou outras cidades. Esse é o compromisso do governo Ratinho Junior, encurtar distâncias e aproximar a saúde das pessoas”, afirmou.

O secretário lembrou que o hospital tem um histórico ligado à tuberculose e que e vai continuar com esse perfil. “Mas vamos adentrar ao atendimento assistencial mais clássico. Quando tivermos mais serviços, com a qualidade dos nossos servidores, esta unidade vai dar a demonstração de altivez e eficiência de que conseguimos deixar um hospital antigo, real, palpável e moderno”, acrescentou Beto Preto

OBRA – Para as casas dentro do terreno estão previstos serviços de troca de cobertura, forro, pisos, revestimentos, instalações sanitárias e elétricas, além da pintura, recuperação de calçadas, muros e portões, totalizando aproximadamente 800 metros de reforma.

Além disso, será realizada a pintura externa do hospital, de aproximadamente 9.336 metros quadrados, e substituição de beiral e calhas. A fachada ganhará uma nova identidade visual. Mais uma sala será adequada para instalação de um tomógrafo, que será adquirido pelo município, com recursos do Estado.

“Tivemos um trabalho muito grande para trazer modernidade para essa estrutura quase centenária, sabendo que precisávamos ter um cuidado especial. Agora conseguimos dar esse retorno para que as pessoas possam receber um atendimento com mais qualidade”, disse o diretor-presidente da Paraná Edificações, Marcus Mauricio de Souza Tesserolli.

O diretor de Operações e vice-presidente do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Wilson Bley, enviou um vídeo falando sobre a liberação da reforma. “Este Governo tem feito muito pela saúde do Paraná e também pela Lapa. Tivemos uma mudança na estrutura deste hospital que já teve relevância nacional e agora, com certeza, voltará a ser referência em todo o Estado, priorizando este atendimento dentro da cidade, sem que nenhum paciente precise se deslocar até outro município”, disse.

Referência no tratamento em tuberculose, o HRLSS foi instalado na Lapa e iniciou os atendimentos em outubro de 1927. Foto: Geraldo Bubniak/AEN

HOSPITAL – Referência no tratamento em tuberculose, o HRLSS foi instalado na Lapa e iniciou os atendimentos em outubro de 1927. Em dezembro de 2020, o Complexo Hospitalar do Trabalhador (CHT) assumiu a gestão do hospital com o objetivo de implementar melhorias em todas as unidades que o compõe. Durante estes oito meses, a média de custo mensal por parte da secretaria estadual da Saúde tem sido R$ 496 mil em contratos de médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, oxigênio líquido e gasometria.

Além disso, a Secretaria já investiu R$ 900 mil em adequações, pequenas reformas e equipamentos. Neste período foi trocada a rede elétrica e substituído um poste que por vezes deixava o hospital sem luz. A unidade também recebeu novos equipamentos como monitores, ventiladores, eletrocardiógrafo e cardioversor, e aumento da rede de gases em UTI.

“Encontramos muitas dificuldades quando assumimos a gestão do hospital há cerca de oito meses, mas conseguimos realizar grandes mudanças e, sem dúvida, esta reforma será um momento importante de revitalização da unidade para atender toda a região”, afirmou o diretor-superintendente do Complexo Hospitalar do Trabalhador (CHT), Geci Labres de Souza.

COVID-19 – Atualmente o hospital possui 107 leitos, sendo 11 leitos de clínica médica, 47 leitos de tisiologia, 40 leitos de enfermaria Covid-19 e nove leitos de UTI Covid-19. De janeiro a agosto deste ano, o hospital internou 696 pacientes com coronavírus.

O prefeito da Lapa, Diego Ribas, falou sobre o atendimento do hospital durante a pandemia. “Em um momento muito grave da pandemia, onde muitas pessoas precisaram ser atendidas, a nova gestão conseguiu fazer esse movimento. Este momento é histórico para a Lapa. Jamais se pensava em ter uma UTI dentro da cidade, e agora com este espaço pudemos salvar centenas de vidas e atender tantas de pessoas”, afirmou.

PRESENÇAS  Acompanharam a assinatura o ex-ministro da Saúde, Luiz Carlos Borges da Silveira; os deputados estaduais Hussein Bakri e Emerson Bacil; o superintendente da Paraná Projetos, Maurício Scandelari Milczewski; a secretária municipal da Saúde, Gabriela Sampaio da Silva Santos; o prefeito de Rio Negro, James Karson Valério, e o vice-prefeito, Alessandro Von Linsingen; a secretária da saúde de Rio Negro, Simone Gandro; o prefeito de Porto Amazonas, Elias Gomes da Costa; o prefeito de Antônio Olinto, Alan Jaros; e a secretária da Saúde de Antonio Olinto, Nelize Regina Wrubleski.